Minha Conta | Ver Carrinho | Finalizar Compra


954-245-7776
Info@abreucoachinginstitute.com

Banner Sample

Quem é Paulo Abreu

Paulo Abreu Infancia

É um Homem com um chamado ardente de ajudar pessoas a vencerem suas maiores batalhas da vida no campo emocional, espiritual e mental para que possam cumprir seu propósito de existência na terra. Se tornou impelido a isso devido um acontecimento em sua vida aos 10 anos de idade.

Empresário bem sucedido, fundador e president da AICI-USA, Abreu International Coaching Institute sediado na Flórida, é Master Trainer Coach tendo já treinado e capacitado milhares de brasileiros no exterior (EUA, Europa e África) e também em vários estados do Brasil.

Possui o título de Ph.D. in Business Administration, 2 títulos de MBA – 1 Master in Business and 1 in Marketing, 1 título de Bacharel em Administração de empresas, é também Master Practitioner em PNL, e já participou de vários outros cursos de graduação e formação acadêmica tanto em coaching, business e marketing.

É o coach brasileiro com o maior número de horas de atendimento de pessoas no one-to-one e em grupos de treinamento nos EUA, sendo hoje a maior referência em Coaching para a comunidade brasileira no exterior, sendo o pioneiro e criador de referências de atendimento, valores e resultados para o mundo do coaching.

Autor best seller de mais de 60 títulos de Cds e Dvds de estímulo espiritual, emocional e mental, tendo vendido mais de 30.000 unidades em seus cursos, treinamentos e website. Está lançando agora no mês de Março seu primeiro livro VIDA FENOMENAL, num lançamento na cidade de Uberlândia para mais de 2,000 líderes, que com certeza se tornará mais um best seller.

Qual a história por trás desse homem?

Segundo a nascer (primeiro filho homem) numa familia de 5 filhos, de uma familia operaria de classe baixa numa cidade pequena do interior de Minas Gerais, Baependi, nasceu Paulo César Pereira de Abreu no dia 25 de dezembro de 1964, e recebeu o primeiro nome do pai Paulo Dias de Abreu. Cresceu nessa cidade, vivendo sua primeira infância com muita escassez de recursos financeiros, aprendendo a viver no limite, até que algo aconteceu em sua vida aos 10 anos de idade, no inverno de 1975 que mudou completamente o rumo de sua história.

Era um menino assim como todos os demais de sua idade de 10 anos. Gostava de brincar na rua, empinar pipas, brincar de polícia e ladrão, carrinhos de rolimã (e de mandacarú), de pique esconde, de causar trotes nas outras pessoas, de tocar campainhas nas casas e de sair correndo, de caçar passarinhos e claro, de jogar futebol com seus amigos na rua de cascalho perto do grupo escolar todas as tardes, até ficar de noite, quando era hora de voltar para casa.

De tanto receber broncas de sua mãe e de apanhar algumas vezes, por esquecer a camisa no “campinho de futebol”, o garoto desenvolveu uma maneira para não esquecer a camisa e de evitar as surras quando jogava futebol no famoso time sem camisa: Amarrava a camisa na cintura para não perder. E era assim que chegava em casa, sujo, suado e com a camisa amarrada na cintura.

No dia 11 de Julho de 1975, inverno no Sul de Minas, ao chegar em casa após o famoso futebol, sua mãe pediu para que ele acendesse o fogo do fogão de lenha para ela fazer janta; Ela tinha acabado de tomar banho e estava usando um roupão de banho feito de edredon e estava passando roupas em cima da mesa da cozinha, e precisava da ajuda do filho para iniciar a preparação do jantar, antes que o pai chegasse para esse momento. Prontamente disposto a ajudar, o garoto inicia o processo de arrumar as madeiras no fogão de lenha, e para acelerar o processo, ele teve a ideia de buscar um pouco de álcool que ele sabia onde seu pai tnha “Escondido” (dentro de uma panela de pressão velha, em cima no armário, atrás das latas onde se guardavam os mantimentos crus). Arrastou um sofa velho que tinha na cozinha, colocou uma cadeira em cima para dar altura de buscar o que desejava. Pegou a garrafa plastica contendo menos de 20% de seu conteúdo e se encaminhou para o fogão à lenha.

Ao ajeitar as lenhas, ele não percebeu que havia brasas embaixo das cinzas (sua mãe havia cozinhado aquela tarde fazendo torresmos no processo de fritar banha de porco para produzir a gordura que usaria para cozinhar os outros mantimentos) e sem perceber o perigo, ele apertou a garrafa plática de álcool em direção as lenhas; quando o álcool tocou as brasas já existentes, um fogo se formou de repente e uma labareda de fogo viajou no ar no rastro que o jato de álcool deixara, e imediatamente o fogo pegou na garrafa que estava em suas mãos. Sem poder controlar o fogo, tentando soprar para apagá-lo, ele desistiu e tentou jogar a garrafa for a pela janela da cozinha, quando nesse momento, a garrafa explodiu liberando o resto de álcool sobre seu corpo, incendiando-o completamente.

Com o barulho da explosão e o susto do fogo em seu corpo, o garoto saiu correndo pela casa em direção a porta principal para sair pela rua. Ao ter acesso a rua, desceu a rua correndo com o corpo em chamas e se lembrou que seus após maternos moravam para cima, e quando ele retornou correndo em direção a casa dos avós, sua mãe já estava lá fora com um cobertor em suas mãos e o agarrou e abraçando-o “abafou”o fogo de seu corpo. Com o fogo apagado, ela quiz pega-lo em seu colo, e quando ela colocou sua mão no sua cintura para pegá-lo, sua pele saiu em suas mãos e o garoto ficou em carne viva. Um vizinho que ouvira o barulho e toda confusão, saiu de encontro a cena e a mãe do garoto pediu para ele o levar para o hospital. E desmaiou ali no chão da rua. O vizinho pegou o garoto pela mão e foi andando a pé para o hospital.

Esse foi o inicio de toda uma vida TRANSFORMADA da noite para o dia. Um dia era uma pessoa normal, sadia, suadável, e no outro dia uma criança totalmente queimada, deformada, com dores insuportáveis. Foram longos anos de tratamento, 15 cirurgias plásticas para corrigir os defeitos no rosto, no pescoço, nos braços e no peito. Foram muitos traumas, rejeições, bullings, e abandon sofridos durante este processo.

Dos 10 anos de idade aos 17 anos de sua adolescência esse garoto passou entre hospitais, clínicas, consultas, internações, cirurgias. Foram perdas de aulas, escolas, anos de estudos, perda de sua adolescência. Ele teve que “brigar” consigo e com os outros para conseguir sobreviver a tanta rejeição e isolamento dos outros. Só conseguiu isso através do alcoolismo, onde se embriagava Escondido para criar um mundo em sua mente de aceitação e amor. Aos 17 anos já era viciado em álcool.

Sua transformação inicia já quase no final de sua adolescência quando irira completer 18 anos de idade, com um encontro espiritual sobrenatural com DEUS dentro de uma igreja presbiteriana na cidade de Três Corações. Neste dia, como que num passe de mágica, sua vida se TRANSFORMA novamente e todas as mazelas de sua vida parecem que foram embora imediatamente. Ele dorme uma pessoa num sábado (dia que ococrrera o encontro) e acorda outra pessoa no domingo. Seus traumas emocionais foram sendo curados um a um. Suas dores foram sendo saradas, sua baixa estima foi sendo aumentada, sua depressão foi embora: Ele havia vencido seus gigantes interiores.

A partir de então, se tornou comissionado a ajudar pessoas em depressão, baixa auto estima, pessoas com traumas emocionais, pessoas desacreditadas, feridas por outros a sua volta, e pessoas com desejos suicidas a vencerem seus próprios gigantes. Estudou teologia, psicologia, fez cursos vocacionais de terapia, de crescimento emocional e seguiu carreira na área do business.

Essas são as credenciais que fazem hoje de Paulo Abreu um homem simples, humilde, capaz de entender as dores emocionais das pessoas, e com total capacidade de ajuda-las a se TRANSFORMAREM no SUCESSO que elas foram planejadas para ser.